Salvando o mundo depois do trabalho Blog

0

Os 5 estágios pelo qual passei com League of Legends

Como disse no meu post anterior, neste ano que passou não comprei nenhum console da nova geração. Em parte porque estava caro, parte porque não tinha muita coisa interessante saindo, parte porque estava estudando, parte porque não quis mesmo 😉 Mas isso não significou que fiquei longe do meu hobby favorito depois do trabalho, pelo contrário. Aproveitei para colocar em dia um monte de jogos que estavam lacrados ainda nos meus consoles velhos de guerra e também me aventurei pelos indies do PC, que a muito não dava muita bola. Porém, nada neste ano que passou consumiu mais meu tempo...

0

Sobre um hiato, um vício e uma resolução de ano novo

Viramos o ano finalmente. 2014 foi relativamente bom mas já estava na hora de acabar. Nesse ano que passou, deixei o blog meio de lado pelas mesmas desculpas esfarrapadas que todo mundo costuma dar: trabalho, falta de tempo, etc. Nesse ano que passou não adquiri nenhum dos consoles da nova geração e isso me deu uma desanimada em comentar e mesmo jogar coisas “antigas”. Entretanto, o real motivo desse meu gigante hiato foram os MOBAs. Na verdade, UM MOBA: League of Legends. Pois é. Inicialmente não tinha gostado dessa modalidade de jogo até que fiz a besteira de dar uma segunda chance....

0

O produto é nosso mas quem ganha é você?

Acho marketing uma área espetacular. As pessoas que trabalham para induzir um potencial consumidor a comprar seu produto, em geral, precisam ter ideais diferentes e soluções criativas para as mais diversas situações e produtos a serem vendidos. Aprecio quando empresas atraem o público com uma propaganda inteligente, uma ação inovadora ou uma promessa de mudar a vida do consumidor. Essa área eventualmente cria peças extremamente eficientes, como o slogan “O aniversário é nosso mas quem ganha é você!”, que já é um clichê de qualquer campanha relacionada ao aniversário de uma marca mas ainda funciona que é uma beleza. Essa filosofia,...

0

As meninas dos nossos olhos: Elizabeth

Em um dia sem nada para fazer depois do trabalho, resolvi assistir a um filme no cinema. Não havia nada que realmente me interessasse então escolhi a melhor dentre as opções disponíveis: uma animação recém lançada, da qual não tinha ouvido falar. O ano era 2008. A animação era Wall-E. Entrei no cinema sem expectativas, esperando apenas ver mais um filme interessante da Pixar mas saí do cinema encantado com aquele robozinho. Foi incrível a emoção que a empresa da Disney conseguiu passar com um personagem improvável (um compressor de lixo futurista) apenas com expressões, movimentos, ações. Hoje, considero o...

0

Phil Fish, polvos e táticas de defesa do reino subaquático

Todos já devem ter ouvido falar da técnica de defesa dos polvos, um cefalópode que tem a peculiar porém eficiente mania de jogar tinta em seus predadores quando se sente ameaçado, acuado. Ao fazer isso, a água fica turva e a visão do predador é reduzida, dando tempo suficiente para o molusco tomar a saída estratégica pela direita e se esconder ou bolar uma nova tática. O efeito dura apenas alguns segundos, teoricamente suficiente para o bicho fugir. O molusco, entretanto, fica sem essa importante técnica de defesa por algum tempo até que seu reservatório encha novamente. Isso permite que...

0

As meninas dos nossos olhos: Clementine

Os últimos jogos dessa geração tem sido realmente incríveis. Além dos cenários incrivelmente bonitos, temos nos deparado com histórias cada vez mais elaboradas e complexas que às vezes até sobrepujam a própria jogabilidade e nos levam a questionar sobre o que me importo mais em um jogo. Entretanto, independente da qualidade de um ou outro aspecto, um ponto que tem chamado atenção nos últimos lançamentos são os personagens… Ou devo dizer AS personagens? Atualmente temos dois grandes expoentes masculinos como símbolo de atores nos jogos, Nolan North e Troy Baker. Somados, eles aparecem em nada menos do que 9 blockbusters...